Ficha técnica

Concepção: Cia. Luna Lunera

Texto: Caio Fernando Abreu

Diretores/Criadores: Cláudio Dias, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves, Rômulo Braga e Zé Walter Albinati

Em cena: Cláudio Dias, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves e Guilherme Théo

Atores stand-by: Fábio Dias, Frederico Bottrel, Rômulo Braga

Relator do Processo: Zé Walter Albinati

Workshop de Ações Vocais: Odilon Esteves

Workshop de Contato Improvisação: Cláudio Dias

Workshop de Voz e Arranjo Vocal: Zé Walter Albinati

Cenário e Figurino: Núcleo de criadores do espetáculo

Consultoria de Figurino: Carla Mendonça

Iluminação: Felipe Cosse e Juliano Coelho

Criação Gráfica: Frederico Bottrel

Produção: Cia. Luna Lunera


CIA. LUNA LUNERA - AQUELES DOIS

SINOPSE

Da rotina de uma “repartição” – metáfora para qualquer ambiente inóspito e burocrático de trabalho, revela-se o desenvolvimento de laços de cumplicidade entre dois de seus novos funcionários, Raul e Saul. É que “num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra”. No entanto, essa relação acaba gerando incômodo nos demais colegas de profissão. O espetáculo Aqueles Dois foi criado a partir do conto homônimo do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu (1948-1996).

O ESPETÁCULO

Texto e espetáculo possibilitam uma diversidade de leituras e percepções sobre o universo “daqueles dois”. Os atores revezam-se nos papéis de Raul e Saul, narram trechos, sugerem os outros personagens da “repartição” e inserem suas próprias referências e leituras para o texto de Caio. Há ainda no cenário, no figurino, na música e no texto uma intencional simultaneidade abrangente a várias décadas.
O jogo corporal entre atores, o trabalho com a fala, a relação com o espaço e os objetos, recebeu influência dos temas deflagradores do Observatório de Criação da Cia. Luna Lunera: o contato improvisação e o método das ações vocais.
Em maio de 2007, a Cia. Luna Lunera propôs internamente um grupo de estudos sobre Contato Improvisação (técnica corporal criada por Steve Paxton) e o Método das Ações Físicas e Vocais (desenvolvido por Stanislavski), tendo respectivamente os atores Cláudio Dias e Odilon Esteves como mediadores. Como base às primeiras vivências da pesquisa, nessa fase eram utilizados alguns textos aleatórios. Focou-se posteriormente na exploração do conto Aqueles Dois, de Caio Fernando Abreu, descobrindo nele suas instigantes qualidades épico-dramáticas e uma inspiração para potencial montagem.
O mote inicial de estudos (Contato Improvisação e Ações Vocais) acabou por deslocar-se para um outro propósito: investir num exercício interno de direção e dramaturgia, a ser desenvolvido pelos atores do grupo. Cada ator teria uma semana para desenvolver seu projeto de direção. Ao final das quatro semanas, um único diretor seria escolhido. Nessa fase os envolvidos no processo eram: Cláudio Dias, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves e Zé Walter Albinati. Tendo este último optado por se dedicar exclusivamente ao núcleo de direção e dramaturgia, convidou-se Rômulo Braga para compor o quarteto de atores em cena. Esse coletivo partiu de improvisações e imersões na obra de Caio, propôs, sobrepôs e experimentou roteiros. Não houve a “eleição” de um único diretor. O processo transformou-se num exercício de direção e dramaturgia compartilhadas.
O espetáculo foi contemplado no 13º Prêmio Sesc-Sated/MG nas categorias Melhor Espetáculo e Melhor Direção; no 5º Prêmio Usiminas-Sinparc nas categorias Melhor Espetáculo, Melhor Direção e Melhor Ator (Rômulo Braga); foi indicado ao Prêmio Shell São Paulo 2009 nas categorias de Melhor Direção, Melhor Cenário e Melhor Iluminação, tendo recebido este último.