Cia. Luna Lunera comemora uma década do espetáculo Aqueles Dois

A montagem do espetáculo Aqueles Dois pela Cia. Luna Lunera comemora uma década em novembro de 2017. A peça, que narra a relação entre Raul e Saul, dois funcionários de uma repartição que compartilham o ambiente de trabalho burocrático e monótono e ali desenvolvem laços afetivos, foi inspirada no conto homônimo de Caio Fernando Abreu. Para celebrar a data, a companhia realiza curta temporada no Teatro de Bolso do SESIMINAS entre os dias 23/11 e 03/12. Os ingressos custam a partir de R$15,00 (quinze reais / meia-entrada).

Ao longo de 10 anos, o espetáculo já foi apresentado em 25 capitais e em mais de 100 cidades brasileiras, completando 400 apresentações durante a temporada comemorativa. Além disso, vem realizando marcantes participações em festivais internacionais, em países como Argentina, Colômbia, Costa Rica, México, Uruguai e Venezuela.

A “repartição” funciona como metáfora para qualquer ambiente inóspito e burocrático de trabalho e pano de fundo para o surgimento de laços de cumplicidade entre os dois novos funcionários. É que “num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra”. No entanto, essa relação acaba gerando incômodo nos demais colegas de profissão.

“O espetáculo partiu de improvisações e imersões na obra de Caio Fernando Abreu. O coletivo de criadores propôs, sobrepôs e experimentou seus próprios roteiros. E não houve a escolha de um único diretor. O processo transformou-se num exercício de direção e dramaturgia compartilhadas.”, explica o codiretor Zé Walter Albinati.

Texto e espetáculo possibilitam uma diversidade de leituras e percepções sobre o universo “daqueles dois”. São múltiplas as citações ou simples menções a artistas e obras de áreas diversas, locações urbanas, letras de músicas, filmes, épocas, onde o Caio Fernando Abreu mistura, despudoradamente, seus mundos biográfico e ficcional. Os criadores, por sua vez, revezam-se nos papéis de Raul e Saul, narram trechos, sugerem os outros personagens da “repartição” e inserem suas próprias referências e leituras para o texto de Caio. Há ainda no cenário, no figurino, na música e no texto uma intencional simultaneidade, abrangendo a várias décadas.

Dentre as várias temáticas abordadas pelo espetáculo, como a solidão e a aridez dos ambientes de trabalho, uma delas chama a atenção pela sua grande importância social e ainda um tabu nas discussões: a homofobia. Dez anos após a estreia do espetáculo, essa questão passou a ser mais discutida pela sociedade em distintos núcleos sociais. O Brasil é o campeão mundial de crimes contra minorias sexuais. Em 2016, segundo dados divulgados pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), foram mortos 343 LGBT’s (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). Uma média de um homicídio a cada 25 horas. Para se ter uma ideia da situação alarmante que o país enfrenta, o número de crimes contra LGBT’s em 2000 era de 130, saltou para 260 em 2010, e chegou a 343 em 2016. Um aumento de 240 % em 16 anos. Assim, o espetáculo mostra-se mais atual do que nunca.

Premiações

O espetáculo foi premiado como melhor espetáculo e melhor direção no 13º Prêmio Sesc-Sated/MG (2008) e no 5º Prêmio Usiminas- Sinparc (2008). Em 2009, foi indicado ao Prêmio Shell São Paulo nas categorias de melhor direção, cenário e iluminação, vencendo nesta última. Em 2015, recebeu o prêmio de espetáculo revelação no FESTLIP – Festival de Teatro da Língua Portuguesa.

Ficha artística completa

Concepção: Cia. Luna Lunera
Texto: Caio Fernando Abreu
Diretores/Criadores: Cláudio Dias, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves, Rômulo Braga e Zé Walter Albinati
Em cena: Cláudio Dias, Guilherme Théo, Marcelo Souza e Silva e Odilon Esteves
Relator do Processo: Zé Walter Albinati
Workshop de Ações Vocais: Odilon Esteves
Workshop de Contato Improvisação: Cláudio Dias
Workshop de Voz e Arranjo Vocal: Zé Walter Albinati
Cenário e Figurino: Núcleo de criadores do espetáculo
Consultoria de Figurino: Carla Mendonça
Iluminação: Felipe Cosse e Juliano Coelho
Criação Gráfica: Frederico Bottrel
Assessoria administrativa: Felipe Montesano
Assessoria de Comunicação: Mateus Meireles
Produção Executiva: Nathan Coutinho
Coordenação de produção: Larissa Scarpelli

Cia. Luna Lunera | 16 anos

Fundada em 2001, a Cia. investe em diversificados caminhos de criação através da pesquisa continuada e do diálogo com outros criadores contemporâneos do teatro, da dança, da música e das artes visuais. Tem como prática abrir seus processos criativos para o público, criando um espaço de diálogo e compartilhamento – chamado Observatório de Criação. Em seus trabalhos, busca conjugar investigações corporais, jogo cênico, uso da música como parte integrante das propostas dramatúrgicas e inserção autoral nos processos artísticos. Construiu, em dezesseis anos de trajetória, sete espetáculos, com ampla repercussão nacional: “Perdoa-me por me traíres” (2001); “Nesta Data Querida” (2003); “Não desperdice sua única vida ou…” (2005); “Aqueles Dois” (2007); “Cortiços” (2008); “Prazer” (2012) e “Urgente” (2016).

Serviço

Temporada de 10 anos do espetáculo Aqueles Dois

Data: de 23/11 a 26/11 e 30/11 a 03/12

Local: Teatro de Bolso do SESIMINAS – Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia

Horário: de quinta a sábado – 20h / Domingo – 19h

Valor: R$30,00 – inteira / R$15,00 – meia-entrada

Informações: (31) 3241-7181

Link para venda: http://www.tudus.com.br/evento/centro-cultural-sesiminas-aqueles-dois

Cia. Luna Lunera realiza bate-papo de internacionalização do teatro

A Cia. Luna Lunera realiza dia 14 de setembro às 19h o bate-papo gratuito “Avanços, impasses e desafios em processos de Internacionalização do Teatro”. Para se inscrever, é necessário mandar um e-mail para comunicacao@cialunalunera.com.br com o nome, documento e telefone do interessado.

O objetivo do encontro é discutir sobre o processo de internacionalização do teatro vivenciado por grupos e produções mineiras, refletindo sobre avanços, entraves, limites e estratégias. Entre os tópicos abordados estarão: solidificação de contatos com festivais internacionais no exterior; feiras internacionais de teatro; produção em viagens internacionais; projetos de venda em línguas estrangeiras; apoios governamentais no processo de internacionalização; desafios de adaptação do espetáculo em línguas estrangeiras.

O projeto tem apoio do edital Circula Minas 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Inscrições abertas para o IN Cena 2º Semestre

Estão definidas as novas turmas para o IN CENA, curso livre de teatro da Cia. Luna Lunera! Serão abertas três turmas: duas para quem ingressa agora no teatro (Módulo 1) e outra para alunos e atores que já possuem experiência (Módulo 2).

Módulo I [turma 2] – BÁSICO Sábado, das 10h às 13h – De 26 de agosto a 8 de dezembro

O Módulo I busca explorar diversas vivências em teatro através da interação dos participantes em exercícios corporais, noções de viewponts, leitura de textos, técnicas de improvisação e experimentação de cenas. Culminância personalizada conforme desenvolvimento da turma.

Módulo II – AVANÇADO Terça-feira, das 19h às 22h – De 22 de agosto a 5 de dezembro

O Módulo II busca aprofundamento de vivências teatrais através de exercícios de escuta, técnicas de improvisação, viewpoints, leitura/proposição de textos, visando a experimentação e composição de cenas. Culminância personalizada conforme desenvolvimento da turma.

A aprendizagem acontece através da troca de experiência entre todos, professores e alunos, em interação. É a valorização da realização em grupo. Os alunos participam como atores, dramaturgos, cenógrafos, figurinistas, compositores de trilha sonora e assistentes de produção nas montagens didáticas.

O curso será ministrado por Cláudio Dias no Módulo 1 (turma 1) e Zé Walter Albinati no Módulo 1 (turma 2) e Módulo 2. As aulas acontecerão na Estação Lunar, Sede da Cia. Luna Lunera [Rua Álvares de Azevedo, nº 49, Bairro Colégio Batista, BH].

Voltado para maiores de 16 anos, o curso dura 4 meses (16 encontros de 3 horas cada) e tem investimento mensal de R$ 150,00.

PRÉ-INSCRIÇÕES: https://goo.gl/forms/LQHjXQcHJjfWMJLX2

MATRÍCULAS: serão efetuadas a partir do nosso retorno via e-mail, mediante depósito da primeira mensalidade na conta bancária que indicarmos. Para mais informações, entre em contato por e-mail (mailinglunalunera@gmail.com) ou telefone (31 2555-6983), no período da tarde.

43ª Campanha de Popularização do Teatro e da Dança de Minas Gerais

 

 

 

 

 

 

 

 

Em Fevereiro, a Cia. Luna Lunera traz de volta seus dois espetáculos mais recentes no Teatro Bradesco BH, dentro da 43ª Campanha de Popularização do Teatro e da Dança de Minas Gerais:

- Prazer: De 03 a 05 de fevereiro, sexta e sábado, às 20h e domingo, às 19h
- Urgente: De 10 a 12 de fevereiro, sexta e sábado, às 20h e domingo, às 19h

Garanta Já o seu ingresso antecipado:

~ Venda física ~

Mercado da Flores
Av. Afonso Pena, 1055 | (31) 3272-7487
Segunda a Domingo 09:00 as 19:00

Patio Savassi
Av. do Contorno, 6061 – Funcionários Piso L3 | (31) 3272-7487
Segunda a sábado: 13:00 as 19:00 Domingo: 14:00 as 18:00

Shopping Cidade
Piso G (Em frente a Serra adventure) | (31) 3272-7487
Segunda a sábado 10:00 as 19:00 Domingo 14:00 as 18:00

~ Vendas online ~

Site Vá ao Teatro:
PRAZER – https://goo.gl/QHHWa4
URGENTE – https://goo.gl/jpmlTs

App para celulares
Androide: https://goo.gl/hKRddM
IOS: https://goo.gl/86GMkV

 

Cia Luna Lunera realiza oficina e debate no CCBB Brasilia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O espetáculo “Urgente”, dirigido por Miwa Yanagizawa e Maria Silvia Siqueira Campos, marca os 15 anos de trajetória da Luna Lunera. Em cartaz no CCBB Brasilia até o dia 11 de dezembro, de quinta a sábado às 20h, e domingo às 19h. A peça, criada em parceria com o Areas Coletivo de Arte, discute as delicadas relações que o ser contemporâneo trava com o tempo em relação a seus desejos e projetos de vida.

Como parte da programação, a Cia. Luna Lunera realiza oficina e bate-papo relacionada ao espetáculo. A Oficina “Ator Criador”, que será ministrada pelo ator Claudio Dias, cofundador da Cia. e integrante do elenco, acontece de 23 e 25 de novembro, de 14h às 18h, no CCBB Brasília.

A oficina busca estimular uma postura autoral e participativa nos processos de criação, dramaturgia e atuação, revelando etapas de construção do espetáculo “Urgente” e propõe um treinamento de ampla escuta, a partir de técnicas de improvisação, sensibilização à percepção de tempo e espaço, resgate de elementos biográficos como possibilidade de composição de personagens|cenas. É indicada a artistas e estudantes de teatro.  São 18 vagas. Inscrições:https://goo.gl/forms/ZuB3RZuUf7DSXIX13

Já o bate-papo acontece no Teatro do CCBB Brasilia, dia  4 de dezembro, domingo, logo após o espetáculo, entre os atores da Luna Lunera e o público em geral. O grupo mineiro abre espaço para uma conversa abordando o processo de criação do espetáculo “Urgente”, a comemoração de 15 anos da companhia e os rumos e desafios do fazer teatral. Ambos os eventos são gratuitos. Para o bate papo não é necessário se inscrever previamente.

OFICINA ATOR CRIADOR

CARGA HORÁRIA: 12 horas
PÚBLICO: estudantes de teatro, atores, diretores e dramaturgos
FAIXA ETÁRIA: a partir de 16 anos
NÚMERO DE VAGAS: 18
MATERIAL DO ALUNO: Roupas leves e confortáveis,que permitam mobilidade durante os treinamentos. Sem calçados.

Data: 23, 24 e 25/11 (Quarta, quinta e sexta)
Horário: 14h às 18h
Oficineiro: Cláudio Dias

Local: Galeria 4 – Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB Brasília: SCES Trecho 2, Lote 22 – Asa Sul – Brasília, DF, 70200-002

 

Cia Luna Lunera realiza oficina e debate no CCBB SP

 

O espetáculo “Urgente”, dirigido por Miwa Yanagizawa e Maria Silvia Siqueira Campos, marca os 15 anos de trajetória da Luna Lunera. Em cartaz no CCBB SP até o dia 17 de outubro, sábado e segunda,às 20h, e domingo às 19h. A peça, criada em parceria com o Areas Coletivo de Arte, discute as delicadas relações que o ser contemporâneo trava com o tempo em relação a seus desejos e projetos de vida.

No mês de outubro, a Cia. Luna Lunera realiza oficina e bate-papo relacionada ao espetáculo. A Oficina “Ator Criador”, que será ministrada pelo ator Zé Walter Albinati, cofundador da Cia. e integrante do elenco, acontece de 6 e 8 de outubro, de 13h às 17h, no CCBB SP.

A oficina busca estimular uma postura autoral e participativa nos processos de criação, dramaturgia e atuação, revelando etapas de construção do espetáculo "Urgente" e propõe um treinamento de ampla escuta, a partir de técnicas de improvisação, sensibilização à percepção de tempo e espaço, resgate de elementos biográficos como possibilidade de composição de personagens|cenas. É indicada a artistas e estudantes de teatro.  São 18 vagas. Inscrições: https://goo.gl/forms/4KEbutylHrOH5ARJ2

Já o bate-papo acontece no Teatro do CCBB SP, dia  9 de outubro, sábado, logo após o espetáculo, entre os atores da Luna Lunera e o público em geral. O grupo mineiro abre espaço para uma conversa abordando o processo de criação do espetáculo “Urgente”, a comemoração de 15 anos da companhia e os rumos e desafios do fazer teatral. Ambos os eventos são gratuitos. Para o bate papo não é necessário se inscrever previamente.

OFICINA ATOR CRIADOR

CARGA HORÁRIA: 12 horas
PÚBLICO: estudantes de teatro, atores, diretores e dramaturgos
FAIXA ETÁRIA: a partir de 16 anos
NÚMERO DE VAGAS: 20 (vinte)
MATERIAL DO ALUNO: Roupas leves e confortáveis,que permitam mobilidade durante os treinamentos. Sem calçados.

Oficinas - 13 às 17h
Data:  06, 07 e 08 de outubro (quinta, sexta e sábado)
Local: Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB SP: R. Álvares Penteado, 112 - Centro, São Paulo

Inscrições: https://goo.gl/forms/4KEbutylHrOH5ARJ2
Observação: As inscrições encerram-se no dia 5 de outubro, quarta-feira, às 18h.

Luna Lunera apresenta “Aqueles dois” em Barbacena

Dando continuidade à 6ª Expedição Lunar, a Cia Lunera segue para Barbacena. “Aqueles dois” será apresentado nos dias 21, sábado, às 20h, e 22 de maio, domingo, às 19h no Estação Ponto de Partida – R. Amilcar Savassi – Campo, Barbacena – MG. Os ingressos estarão à venda a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Ofertaremos, gratuitamente, duas oficinas, a serem realizadas no mesmo local. A oficina Ator Criador será ministrada por Zé Walter Albinati nos dias 21 e 22 de maio, das 9h às 13h. É indicada para artistas e estudantes de teatro em geral. Inscrições aqui. Na programação, outra atividade é a oficina de Produção Cultural, que será ministrada no dia 21 de maio, das 14h às 18h. A oficina de Produção Cultural apresenta noções introdutórias e esclarece sobre os procedimentos de produção: leis de Incentivo, captação, parcerias, produção de espetáculos e sustentabilidade. Propõe, também, a confecção de projetos culturais simulados.Para se inscrever, acesse este link.

“Urgente” fica em cartaz no CCBB BH até dia 16 de maio

“Urgente”, a nova peça da Cia. Luna Lunera estreou no dia 31 de março de 2016 no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB BH). A peça que discute a passagem do tempo, marca os 15 anos da companhia mineira. A peça fica em cartaz até dia 16 de maio, com sessões às 20h, de quinta à segunda.

Os ingressos podem ser adquiridos à R$20 (inteira) ou R$10 (meia) na bilheteria do CCBB ou no site Ingresso Rápido.

Acompanhe o que vem sendo dito nos principais veículos da imprensa mineira sobre o espetáculo:

Jornal Estado de Minas –  31/03/16 – por Carolina Braga

Completando 15 anos, Companhia Luna Lunera estreia ‘Urgente’

Jornal Hoje em Dia – 31/03/16 – por Cinthya Oliveira

Cia de Teatro Luna Lunera estreia o espetáculo ‘Urgente’, no CCBB-BH

Jornal O Tempo – 30/03/16 – por Joyce Athiê

parte 1
Tempos irrefreáveis
parte 2

Sem medo de olhar para as urgências

Jornal Pampulha – 24/03/16 – por Bárbara França
Entre a urgência e o vagar

Cia. Luna Lunera estreia espetáculo “Urgente” no CCBB BH

Em 2016, a Cia Luna Lunera completa 15 anos de existência. Em comemoração, estreia dia 31 de março no CCBB Belo Horizonte a peça “Urgente”, que através de um forte viés poético discute as delicadas relações que o ser contemporâneo trava com o transcurso irrefreável da vida.

A sensação de impotência frente aos dias, meses e anos que correm cada vez mais rápido, deixando sonhos morrerem na condição de meros planos nas gavetas, enquanto cumprimos as mesmas obrigações mecânicas de sempre. Quando se dá por si, já se é velho demais. O envelhecimento e a solidão se apresentam como realidades. A ampulheta impiedosa não pára frente aos sonhos e expectativas projetados a um futuro que nunca chega, posto que nunca teve oportunidade de ser construído.

“Urgente” discute a rápida passagem do tempo em uma peça que tem duração determinada e tempo pra acabar: 1 hora e 40 minutos. Como lidar com o tempo que passa dando sentido a ele? O espetáculo se compõe de seis encontros de cinco minutos cada, cinco dúvidas, dois desabafos, um samba enredo, um desabamento, uma desistência e seis despedidas.

Um cenário simples, composto por quatro nichos de um metro quadrado cada, onde habitam as personagens e suas complexidades. Um enredo não linear que se revela aos poucos e se relaciona com a história de vida dos próprios atores, que apresentam suas trajetórias pessoais em retrospectivas de dois minutos, na medida em que soa uma sirene. Como resumir uma vida em um tempo tão diminuto? O que nos marca e nos constitui como pessoas?

Processo criativo

“Urgente” é fruto da parceria entre a Cia Luna Lunera e o Áreas Coletivo da Arte, que assina a direção da peça. O processo de gestação do espetáculo também contou com a interlocução dramatúrgica do escritor Carlos de Brito e Mello, que realizou uma conexão entre a literatura, a filosofia e a poética das cenas.

“Escolhemos trabalhar com o Áreas Coletivo de Arte pois além de reconhecer o viés poético desse coletivo composto unicamente por mulheres, nos identificamos com o grande frescor de suas obras e o esforço em sempre promover relações verdadeiras que se estabelecem no aqui e agora em suas criações”, explica Marcelo de Souza e Silva, ator da companhia.

A ambientação sonora da peça tem a assinatura da banda Constantina, grupo instrumental belo horizontino de forte caráter investigativo e experimental. A proposta é que eles fossem afetados pela poética inicialmente colocada em cena e a partir daí entrassem em diálogo com a mesma, através de releituras musicais da cena, interferências e provocações.